Seguidores

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Os Motins em Pitangui

No início do século XVIII, grupos de bandeirantes paulistas, muitos deles com envolvimento na Guerra dos Embobas (1707-1709), iniciaram a ocupação da região centro-oeste da Comarca do Rio das Velhas. Segundo Taunay, citado emTorres:1966,

"lá se encontravam alguns dos mais notórios bandeirantes das Minas, como Jerônimo e Valentim Pedroso de Barros, Manuel Dias da Silva, Domingos Rodrigues do Prado, Bartolomeu Bueno da Silva, o segundo Anhanguera, Sulpício Pedroso Xavier e muitos outros."

Estes bandeirantes haviam abandonado a região do conflito denominado Guerra dos Emboabas e se embrenharam pelo sertão do oeste, na região, onde anos antes, em 1696, o bandeirante Bartolomeu Bueno de Siqueira havia descoberto ouro e dado início ao povoamento onde hoje é Pitangui.

Mapa sobre as expedições dos bandeirantes paulistas

Desde os primeiros dias as autoridades portuguesas em Minas encontravam grandes dificuldades em manter aquela região sob a jurisdição municipal de Sabará, onde havia grande número de reinóis (portugueses). O isolamento geográfico de Pitangui permitiu o surgimento de lideranças que adotaram uma postura de enfrentamento em relação às autoridades metropolitanas. Pitangui era tida como abrigo de rebeldes e insubordinados, localidade turbolenta. É claro que esta era a visão de representantes da coroa portuguesa que não admitiam nenhuma forma de resistência ou contestação à presença das autoridades régias.

Não tardou surgir conflitos, no decorrer das primeiras décadas do século XVIII, muitos temiam percorrer a região. Em 1720, Domingos Rodrigues do Prado liderou o mais famoso e talvês sangrento motin em Pitangui, já no governo do Conde de Assumar. Segundo registros históricos, próximo ao rio São João ocorreu feroz batalha entre forças comandadas por Domingos Rodrigues do Prado e as tropas régias, com baixas entre as forças beligerantes. O líder da Revolta de Pitangui nunca foi capturado, pelo menos não existem registros oficiais sobre a sua captura.

FONTES:

CUNHA,Wagner da Silva. Paulistas no "Sertão" das Gerais:os motins de Pitangui, acessado em http://www.fafich.ufmg.br/temporalidades/pdfs/1p55.pdf em 12/12/2009. TORRES, João Camilo de Oliveira. História de Minas Gerais,v.1.2ª ed., Difusão Pan-Americana do Livro, Belo Horizonte,1966.

Esta postagem também contou com a preciosa colaboração de Vandeir Santos e Luiz de Vasconcelos.




6 comentários:

  1. Fico feliz em saber que o líder da Revolta de Pitangui nunca se deixou capturar. Talvez seja com esse mesmo espírito revolucionário que os atuais filhos de Pitangui também se tornaram líderes. Líderes intelectuais que também conseguem se revoltar e se unir contra o obscurantismo em que padecem muitas cidades históricas das nossas Minas Gerais. Viva Pitangui, viva Minas, viva nossa gente! Parabéns mais uma vez pelo trabalho precioso de resgate histórico e um abraço a todos!

    Sandro Neiva
    pervitinfilmes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Postagem bacana Licínio!É sempre bom saber sobre a origem das coisas.
    A postagem de 4/10/09 sobre O Morro do Batatal (Patrimônio Histórico), também contextualiza a "fundação" da cidade.
    Grande abraço.
    Ps.: em breve novas psotagens...

    ResponderExcluir
  3. Olá Sandro,
    o espírito de resistência ao dominador foi uma marca registrada de Domingos Rodrigues do Prado, um desses herois que nossa história oficial relega.
    Viva a Resistência!
    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Oi Léo,
    as postagens vão se completando. O Vandeir me disponibilizou um material que aindas estou lendo, em breve farei mais uma postagem sobre os Motins de Pitangui.
    Estou aguardando suas postagens, tenho certeza que vem coisa legal por aí.
    Abração.

    ResponderExcluir
  5. Em "Quilombo do Campo Grande - História de Minas que se devolve ao povo", as Revoltas de Pitangui estão também DOCUMENTADAS em suas páginas 35-46.Está em PDF e é de graça:
    http://www.mgquilombo.com.br/site/Livros-Quilombolas/livros/qu
    ilombo-do-campo-grande-a-historia-de-minas-que-se-devolve-ao-povo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tarcísio José Martins.
      Seja bem-vindo ao blog "Daqui de Pitanguy".
      Obrigado pela indicação, iremos acessá-la.
      Parabéns pela belíssima obra "Quilombo do Campo Grande - História de Minas que se devolve ao povo" uma referência sobre o tema.
      Um fraterno abraço.

      Excluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.